3 de jan de 2005

João Teimoso

O pensamento criou bifurcações e abriu tantas janelas, que o texto se transformou em vários. Comecei refletindo sobre as gratificações da maturidade, a força interna que aprendemos a conhecer e explorar; passei para a dificuldade em deixar os mais jovens construírem a própria estrutura e tomarem conhecimento do seu próprio potencial; falei do erro que cometemos, quando, zelosos, pensamos poupar os filhos das desilusões e dissabores, tentando conduzir suas escolhas; lembrei os passos executados através das gerações, cada uma repetindo os erros criticados na anterior. Detestamos aquela comida mastigada a contragosto, à base de “aviõezinhos” e ameaças de castigos; depois, a repassamos da mesma forma, quem sabe substituindo a velha bruxa por um novo personagem. Gritamos “Não aborrece! Deixa-me viver do meu jeito!” e ouvimos o eco se repetindo, agora como protesto dirigido a nós.

Principalmente, pensei na maneira corajosa ou relutante com que cada um enfrenta o dia-a-dia. Recordei pessoas que palmilham caminhos espinhosos, abismos e ameaças, não se deixando abater, nem se tornando desestimuladas e amargas. Ao lado, muitas vezes, outras criam problemas do nada.

Talvez as diferenças estejam mesmo no início da história de cada um, naquela dose inicial de muito amor, recebida desde o berço, misturada ao primeiro leite. Ela cria a couraça protetora por onde resvalam os malefícios, sem nos atingir em profundidade. Misto de auto-estima, fortalecida na certeza do amor primeiro, e equilíbrio emocional, adquirido através de inúmeras experiências bem assimiladas, ela parece atrair as oportunidades e os bons sentimentos externos. Isso, pela qualidade especial que possuem as pessoas felizes de nos fazerem desejar a sua companhia.

Quando enfrentamos o alternar de conquistas e fracassos, entusiasmo e desânimo, críticas e aplausos, comuns a todos, essa couraça adquirida não nos permite desanimar; quando mais velhos e enfraquecidos, ela nos abastece de armas poderosas, como a melhor compreensão e a aceitação das novas situações. Acostumando-nos ao combate, faz com que apreciemos os desafios de cada dia. Lições são absorvidas pelas dificuldades enfrentadas. Nossa fortaleza advém delas, não das regalias obtidas.

Percebo, afinal, que o pensamento brinca comigo como este complexo computador. Sagaz, acrescenta novas dúvidas a cada questão resolvida. Matreiro, lança nesgas de sol através de suas janelas. Atraída pela promessa de claridade, persisto no jogo: nas vitórias, aprendendo a humildade, na certeza de que nada dura eternamente; nas derrotas, bancando o “João Teimoso”, sempre pronto a levantar e recomeçar.

Nenhum comentário: