3 de fev de 2005

O primeiro passo

Em certos dias, tudo parece difícil. Sentimo-nos impotentes para empreender a hercúlea tarefa que se nos apresenta. Temos a impressão de que nos exigem demasiado. “Por onde começar?”, nos perguntamos, olhando a pilha de documentos ou a lista de atividades a serem concluídas. Nessa hora, antes de afundar num mar de autopiedade, surge a resposta, como bóia atirada no derradeiro momento: _ Começa pelo princípio.

Então, se o que me perturba é a exigüidade do tempo, o receio de não conseguir aprontar tudo antes da chegada dos convidados, experimento iniciar pelo menos passível de erro: misturar os ingredientes da mousse de maracujá, ato executado em poucos minutos. Após o liquidificador fazer o seu serviço, escolho uma linda tigela transparente, com pé alto, e nela deposito a mistura, esprendo compensar a simplicidade da escolha com a bela apresentação.

Tranqüilizada pela primeira sobremesa pronta, parto para o segundo grau em dificuldade, a costumeira torta de chocolate. Como essa exige maior atenção, inicio colocando sobre a mesa todos os ingredientes e o material necessário. Quase suspiro de alívio, quando constato a presença do fermento e do papel encerado para forrar a forma, pois a sua falta, em outra ocasião, foi motivo de atraso.

O passo seguinte é a de nozes, com cuidado para não errar o ponto da calda e açucarar o doce de ovos. Ah, também preciso lembrar de deixar algumas nozes inteiras, para enfeitar. Deu água na boca? Pois, ainda falta a de frutas com nata batida – e essa costumo armar já bem calma, tranqüilamente sentada, enquanto organizo os pensamentos e reviso os últimos detalhes. Coloco o último morango sobre a nata, limpo as bordas do prato. Pronto, acabei!

Essa ordem de começar pelo mais fácil, acrescentando graus de dificuldade, tem o dom de proporcionar tranqüilidade, por trilharmos caminhos conhecidos. Após o primeiro passo, os seguintes serão fáceis. A auto-estima tem recuperação, percebemos, quando os objetos voltam a brilhar, colocados nos devidos lugares. ou quando os convidados se colocam em frente à mesa, felizes por encontrar as suas receitas preferidas, sem imaginar que anfitriã de aparência tão segura ainda tenha receio de fazer tudo errado.

Quando são mais complexas as minhas preocupações, pois fácil seria viver se as grandes tensões se reduzissem a isso, novamente experimento a fórmula aprovada: começar pelo menos difícil. Pode ser o pedido de desculpas, o abraço apertado, o sorriso tímido, o convite para jantar, a espera do filho à saída da escola, a mensagem carinhosa no celular. O difícil é começar. Como outro falou, com muita propriedade: após engatar a primeira, o carro vai.

Mas, caso alguém se sinta incapaz de qualquer começo, experimente a receita da mousse de maracujá: leite condensado, creme de leite e suco de maracujá, batidos levemente no liquidificador. Só pra parar de repetir que não consegue realizar nada.

Nenhum comentário: