9 de nov de 2006

Um pouco da Ásia - parte II - Rumo à Ásia


O ponto de encontro de todos os participantes da excursão com destino à Ásia foi o aeroporto de São Paulo, onde conhecemos os guias turísticos que nos acompanharão, um homem e uma mulher, que chamarei de Lívia e Máximo, nomes fictícios.

Cingapura será a primeira cidade asiática que visitaremos, mas uma parada no meio do caminho se torna necessária, em virtude da distância. Assim, de inhapa, temos oportunidade de conhecer Zurique, na Suíça.

A viagem aérea teve a duração de doze horas, sendo cinco de diferença para o horário brasileiro.O aeroporto de Zurique é enorme, fácil de se perder, por isso aqui começa o processo de seguir a bandeirinha, empunhada acima da cabeça de Máximo.

Descemos pela escada rolante e embarcamos num trem subterrâneo até o nível um, onde desembarcamos e fomos pegar as malas na esteira rolante _ as nossas facilmente identificáveis, graças às chamativas fitas adesivas amarelas. Em outra oportunidade, foi um desespero a identificação da bagagem, as malas nos costumeiros tons cinza ou preto, apenas com os cartões de identificação. Pelo menos, aprendi a lição. Agora coloco fitas adesivas, laçarotes; compraria uma mala vermelha, se não gostasse tanto da minha velha companheira.

Passaremos o resto da tarde, a noite e o dia seguinte em Zurique, partindo ao entardecer para Cingapura, na Ásia.

O ônibus nos leva ao Novotel Airport. No caminho, os guias sugerem a tarde para descanso, quando muito uma visita ao centro comercial, localizado dentro do aeroporto. O hotel escolhido, diferente do combinado anteriormente, fica bem próximo a esse. Solução satisfatória para os organizadores da excursão, mas incômoda para nós, pois estaríamos melhor no centro da cidade.

Na continuação da explanação, Máximo oferece novo pacote opcional, dessa vez a Macau, ao preço de noventa dólares americanos, com o forte argumento de que, sem realizá-lo, a viagem ficará muito prejudicada.

A incoerência quase me faz rir. À proporção em que mais pacotes são adicionados, o tour a princípio oferecido como maravilhoso se transforma num roteiro falho, sem condições de proporcionar conhecimentos sobre a verdadeira Ásia, segundo as últimas declarações dos guias turísticos, desejosos de vender mais opcionais.

Anteriormente, logo após o pagamento da viagem _ no folder de propaganda considerada uma excelente e econômica maneira de conhecer a Ásia _ a companhia enviou o convite para o primeiro pacote opcional, com preço especial de U$490, usando esse mesmo argumento. Na ocasião, consideramos os custos e benefícios e resolvemos dispensa-lo, preferindo fazer algum turismo por nossa conta e risco. Escaldados por situações anteriores, em que nos vimos em ônibus cheios, passando rapidamente por vários pontos interessantes,enquanto o guia os apontava ao longe.

Ponderamos entre nós o risco de deixar de conhecer lugares interessantes, por ignorância ou má administração do nosso tempo, mas concordamos na preferência de horários mais livres e decidimos arriscar.

A companhia turística enviou o convite para o segundo pacote opcional, então, e esse me fez balançar: uma visita ao achado arqueológico dos Guerreiros de Chiam, por trezentos vinte cinco dólares americanos. Mas, considerando a distância, inclusive com a necessidade de mais horas perdidas no aeroporto, novamente abdicamos. Se a gente não toma cuidado, nesse tipo de excursão, entra numa maratona em que só corre de um lado para o outro, sem ver nada com calma e sem sentir o clima local.

A contragosto, compreendemos que todos esses passeios seriam interessantes e com certeza enriqueceriam a viagem, em outras circunstâncias, se o tempo não fosse escasso.

Agora, dentro do ônibus, surge o terceiro opcional: um dia em Macau. Já conformados em ser do contra, ficamos quietos, enquanto outros aderem alegremente.

Chegando ao Novotel, combinamos dormir apenas duas horas, apesar do cansaço ocasionado pela noite inconfortável nos apertados assentos do avião, guardando o sono para a noite seguinte, com o objetivo de conhecer a cidade. Descartamos a idéia de retornar ao centro comercial dentro do aeroporto e optamos por perambular sem destino certo, desejando captar um pouco do verdadeiro espírito da Zurique.

Assim, vamos descansar um pouco. Depois, estaremos prontos para o que der e vier.

Um comentário:

Ruthe disse...

Marta!
Que ótimo este teu alerta de como tomar cuidado, quando se viaja, acredito, em qualquer parte do mundo. Também um otimo alerta sobre as malas,que, realmente,são muito parecidas, portanto, causando enorme transtorno.
comecei a viajar pela Ásia...

Beijos