29 de abr de 2012

Chegada a Weston



Em crônicas anteriores, contei um pouco sobre o cruzeiro realizado em águas caribenhas, no transatlântico Allure of the Seas. Comecei o relato com a explicação de que, pela primeira vez, me responsabilizei totalmente pela organização da viagem, por isso é fácil compreender o meu encantamento, a cada vez que uma operação obtinha sucesso.

E assim foi, tudo correndo como previsto. Desembarcamos do navio às 7h30’, na primeira leva de passageiros, aproveitando a opção oferecida aos que possuem pouca bagagem. Como cada um de nós se responsabiliza pela sua mala e a mochila, o desembarque é tranqüilo, em Fort Lauderdale. É só se conduzir à porta de desembarque, apresentar o cartão de reconhecimento e sair.

Chegados ao píer, aguardamos um pouco e logo apareceu, trazendo o carro alugado, aquele mesmo motorista brasileiro que nos trouxe do aeroporto de Miami, quando chegamos.



Seguimos rumo ao resort em Weston, localidade próxima a Fort Lauderdale, onde nos hospedamos em vezes anteriores. Estranhamos o caminho apresentado pelo GPS, pois em um ano de ausência há várias ampliações da estrada, que já era maravilhosa, em três vias para ir e voltar, com várias bifurcações. Pois agora estão sendo construídas, _ em alta velocidade, trabalhando dia e noite _ mais duas estradas de cada lado, cada uma também com três vias (e o país se diz em crise).

Mas, sem parecer entender o que desejamos, o GPS nos faz voltar várias vezes ao aeroporto internacional de Fort Lauderdale. Desistimos dele e optamos pelo caminho que conhecemos. Descobrimos, mais tarde, que estava configurado para evitar estradas principais, por isso não atendia aos comandos. Brincadeirinha de quem o configurou...


Chegar ao Vacation Village at Weston é quase como chegar em casa, tantas vezes já estivemos aqui, através do sistema de tempo compartilhado. O resort fica dentro de um condomínio lindo, com muito verde, lagos, cascatas e um campo de golf. Há vários edifícios, com apartamentos amplos e todo conforto. Na área externa, um local com uma churrasqueira, mesas e bancos para quem quiser utilizar.


O apartamento, previsto para um casal com dois filhos pequenos, possui um quarto amplo, uma sala grande com mesa de refeições para 6 pessoas, uma mini cozinha com fogão, máquina de lavar louça, armários com pratos, copos, talheres, panelas, além de uma pequena sacada, mobiliada com uma mesa e quatro cadeiras. No quarto, de bom tamanho, há uma banheira de hidromassagem. Dentro de um armário, a mesa e o ferro para passar roupa, se necessário, e várias mudas de lençóis e toalhas para reposição. O serviço de limpeza é semanal, com a cláusula de que será cobrado extra, caso o estado do apartamento deixe a desejar.





Em cada andar de cada edifício, há uma máquina de lavar roupa e outra de secar, que se põem a funcionar com 3 moedas de cinqüenta centavos de dólar, além das 6 necessárias para obtenção da quantidade exata de sabão em pó e de amaciante. Tudo tão confortável, que é impossível não ficar fã da praticidade americana. Ou pensar como seria bom se, na terra natal, algum construtor tivesse idéia de construir apartamentos assim amplos e confortáveis, _ com as peças essenciais, mas bom espaço para convivência e lazer _ em vez das “caixinhas de fósforos” em que alguns gostam de colocar as pessoas, quando desejam viver sozinhas ou somente o casal.

Conhecer outros comportamentos traz a certeza de que, com pequenas mudanças, a vida pode se tornar mais prática e gostosa.

Nenhum comentário: