2 de jan de 2013

Papai Noel existe

Deixei de acreditar em Papai Noel, há muito tempo. E olhe que era bom, quando acreditava, porque isso me dava o direito de pedir o que desejasse, embora tivesse que ouvir a explicação de que a bicicleta podia furar o saco e por essa razão não viria, entre outros contratempos que se devia poupar ao bom velhinho.

Depois que passei a ser a Mamãe Noel, então, mais a convicção se firmou: “Papai Noel não existe” _ conformei-me, ao assumir o papel, como fazem os adultos, obrigados pelas circunstâncias.
Mas, neste ano de 2012, descobri que estava enganada: Papai Noel existe! E o melhor é que lê pensamentos; talvez até tenha um radar para descobrir os desejos de quem deixou de manifestá-los em cartinhas, mas não desistiu de desejar.

Após um ano difícil, cheio de altos e baixos na área da saúde (mais baixos que altos), de repente me deu um cansaço de lutar contra a maré e tudo que pedi ao médico foi pra parar o tratamento (com vários efeitos colaterais), para lembrar a sensação de ser uma pessoa normal e usufruir das festas de final de ano, com a animação antiga. De inhapa, se não fosse pedir demais, gostaria de estender a pausa até o final de fevereiro, para curtir a reunião dos filhos e netos, aproveitar a temporada na fazenda, e por ali o pensamento voou, sem que fosse manifestado, em toda a sua extensão.

Na ocasião _ como com louco não se discute _ o médico sugeriu uma semana de férias, depois se falaria no assunto. Saí do consultório feliz como menino no último dia do ano letivo; só faltou jogar pro alto os resultados das tomografias e exames de sangue. Férias, liberdade! Adeus, cansaço _ pensei. E aproveitei cada minuto da semana presenteada, apesar do pique escasso, pois os efeitos da medicação precisariam de tempo para desaparecer.

Mas, no retorno das férias, a realidade me pegou pelo braço: os exames estavam ótimos, o tratamento parecia estar dando certo; era preciso seguir o cronograma, com alguns reajustes. E quem sou eu pra discutir decisões médicas? Ainda como aquele menino doido pra jogar tudo longe e correr pro campinho de futebol, recolhi as ideias estapafúrdias e me dispus a fazer o tema de casa.

Só que os reajustes na medicação funcionaram, em termos de cansaço e desânimo, e logo me vi programando o Natal, como sempre: comprando presentes, organizando a ceia, bem como a pessoa normal que eu desejava tanto voltar a ser. Imaginei se o cansaço estaria à espreita, esperando para me nocautear, por isso apurei o passo, antes que me jogasse no chão, só para se exibir. E vá que os tais efeitos colaterais sejam como aqueles monstros que se alimentam da fraqueza dos circunstantes?

Melhor ignorá-los, pensei, como se faz com gente inconveniente _ pelo menos, enquanto for possível.

Assim foi feito e o Natal chegou, trazendo sorrisos de crianças, abraços amigos, encontros felizes, e a alegria por ter conseguido realizá-lo, “como uma pessoa normal”. Foi nesse momento que compreendi: Papai Noel existe e, quando quer, pode ser muito bonzinho. Neste ano, acho que ele quis se redimir, pois, além de captar o desejo no ar, não alegou a fragilidade do saco ou o peso pra carregar.

Mas como, por aí, há muita gente precisada de uma força extra, vou lhe enviar a mensagem de que cuide dos outros, que aqui está tudo bem, obrigada.

9 comentários:

Ruthe disse...

A vida ficou bem mais sem graça sem o mito do Papai Noel e do Coelhinho da Páscoa, mas foi preciso aceitá-los,pois mito é mito!As coisas boas que nos acontecem,alguns milagres? Bem, são outras conversas...

Ricardo Vinhas disse...

Marta, não somente o Papai Noel existe como também outras tantas forças que circulam em nosso cotidiano e que na maioria das vezes não observamos.
Parabéns pela sua reflexão!

Grande Abraço e Feliz 2013 a Todos!

Ricardo Vinhas.

Diva Nunes Duro disse...


"Marta:Dizer o quê para para uma pessoa linda e forte como tu?
Peço à papai do céu que continue te abençoando sempre,te iluminando e que possamos contar com tua sapiência por muitos anos. Bjos. Papai Noel existe sim."

Naná Rechsteiner disse...

"O otimismo e o pensamento positivo sempre nos ajudam em todos os momentos da nossa vida.Parabens por vc ter nos transmitido de uma maneira tão singela na sua crônica.Bjs."

Beatriz Castro disse...

"Adorei o presente do Papai Noel e desejo a voces um 2013 repleto de paz e felicidades"

Geni Tavares Camargo disse...

"que linda crônica, Marta, parabéns pelo talento e pelo presente do Velhinho. que 2013 seja muito feliz para ti e os teus, recuperação da saúde bem como tudo que desejas. Com carinho"

Rosana Souza disse...

"É, Tia Marta, a vida mais cedo ou mais tarde nos mostra que Papai Noel existe, sim, apesar de todas as bicicletas e videogames que faltaram no saco frágil! O difícil é aceitar que não estamos imunes a nada, ou seja, tudo pode nos acontecer; a partir daí, vale aquela frase do Einstein que diz que "só há duas maneiras de viver a vida: a primeira é vivê-la como se os milagres não existissem; a segunda é vivê-la como se TUDO fosse um milagre! Grande beijo, agradecendo também ao Papai Noel por mais este Natal maravilhoso!"

Regina Tourinho disse...

"Muito boa!!! Bjsss"

Maria Lúcia Drummond disse...

Querida Marta
Alem de emocionada,quero participar da tua felicidade vivida nestes dias.
Precisamos comemorar!!!!!Beijos